comando

O grupo Social iTV – DigiMedia irá, brevemente, iniciar um projeto na área do envelhecimento com o título “Aplicação móvel de monitorização da atividade doméstica dos seniores através da televisão: uma abordagem sem alterações ao ecossistema doméstico”. Este projeto faz parte do programa coordenado SECURHOME, o qual integra mais 3 projetos. O Projeto Individual 2, liderado pela Universidade de Aveiro, conta com a participação de vários investigadores do grupo de investigação Social iTV – DigiMedia, e de um investigador da Universidade Carlos III de Madrid, sendo financiado pela Fundação Geral da Universidad de Salamanca, dentro das atividades do Centro Internacional sobre o Envelhecimento (CENIE).

O objetivo societal deste projeto, ao nível do apoio ao sénior através de uma abordagem tecnológica sem alterações ao ecossistema doméstico, é, sem dúvida, um enorme fator de motivação para a equipa de investigação envolvida neste projeto. Uma eficiente monitorização da atividade doméstica das pessoas idosas tem o potencial de identificar automaticamente acidentes (tais como quedas ou doenças súbitas) ou, não menos importante, alertar para situações de potencial risco permitindo aos cuidadores tomar medidas atempadas que evitem consequências graves (como as derivadas de falta de toma de medicação, desorientação física, assaltos, etc.). Na realidade, poder agir atempadamente é uma enorme mais-valia que, no limite, evitará casos dramáticos como aqueles em os efeitos de um acidente/incidente só são conhecidos passados vários dias da sua ocorrência, quando, infelizmente, já nada mais há a fazer.

Contudo, a maioria dos sistemas atuais de monitorização é, de certa forma, intrusiva pois implica a utilização, por parte dos idosos, de pulseiras ou pendentes (com detetores de queda) ou a instalação em sua casa de, entre outros dispositivos, câmaras de vigilância e sensores de presença (por exemplo, por pressão ou por abertura). Este facto pode condicionar, por um lado, a instalação e disponibilização dos sistemas de monitorização e, por outro, a própria motivação e aceitação por parte dos idosos, habitualmente menos disponíveis para integrar nas suas rotinas diárias novos dispositivos tecnológicos. Torna-se, assim, ideal que a monitorização possa ser realizada de forma ágil e transparente recorrendo aos normais artefactos utilizados diariamente, sem qualquer necessidade de intervenção no ecossistema doméstico. Ora, um dos artefactos mais utilizados pelos idosos é, precisamente, a televisão e é com base neste dispositivo que o Projeto Individual 2 (integrado no Projeto Coordenado SecurHome) visa desenvolver uma aplicação móvel de monitorização da atividade doméstica através da televisão.

A abordagem tecnológica do projeto irá permitir dois modos de ação:

a) um modo proactivo, no qual, à imagem de outros sistemas de monitorização, os idosos poderão pedir ajuda (aos seus cuidadores) através do envio imediato de uma SMS desencadeada pelo simples premir de uma tecla do telecomando (equivalente a um panic button);

b) um modo automático e transparente que, através do cruzamento continuo de informação relativa ao estado do utilizador (TV ligada ou desligada); com desvios ao consumo televisivo típico; ausência de interação com a televisão; tomas de medicamentos, consultas ou exames em atraso, permitirá avisar o cuidador da existência de potenciais problemas. No sentido de minimizar falsos alertas, tentar-se-á que o sistema recorra aos dados da agenda do sénior, de forma a verificar se, naquele momento particular, é ou não expectável que ele esteja em casa. Por sua vez, o cuidador, para além de nos casos mais graves ser avisado automaticamente por SMS e correio eletrónico, poderá, em qualquer altura, através da sua aplicação móvel de monitorização da atividade doméstica, obter a seguinte informação relativa ao seu dependente:
• hora da última interação com a televisão;
• histórico do consumo televisivo (programas e canais);
• lista de medicamentos (tomados e por tomar);
• agendamento de exames e consultas do dependente.

Através da aplicação móvel, o cuidador poderá, ainda, enviar pequenas mensagens de texto para o televisor do sénior (seu dependente).